As diferenças nas regras entre o Basquete Olímpico e a NBA

Os Jogos das Olimpíadas de Tóquio em 2020 estão chegando e o mundo está animado para os jogos de verão. Centenas dos melhores atletas do mundo vão competir em Tóquio para conseguir uma medalha por seu país. As regras do Basquete Olímpico e da NBA são diferentes. Visto que as Olimpíadas seguem as regras da FIBA (Federação Internacional de Basquete). 

A NBA não é uma competição internacional, mas sim apenas uma liga operando em um único país com a liberdade de ter suas próprias regras e empreendimentos comerciais, e é de longe a melhor liga de basquete do mundo. A equipe dos EUA escolhe superstars e All-Stars para formar seu elenco na seleção, e eles ganharam a medalha de ouro em todas as temporadas olímpicas desde 1992, exceto nos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004. Apesar disso, eles perderam os dois jogos de exibição para a Nigéria e Austrália e agora os analistas questionam se esta equipe pode manter o recorde de ouro dos EUA.

“As regras da FIBA são projetadas para que equipes menos atléticas possam alcançar o talento da NBA. Nunca vai ser tão fácil quanto as pessoas pensam que vai ser. E você não pode jogar o mesmo tipo de basquete que joga na NBA.” — James White (@ Flight8) 13 de julho de 2021

Quais mudanças nas regras os jogadores da NBA enfrentam nas Olimpíadas?

Existem diferenças significativas entre as duas regras e a equipe dos EUA precisa se adaptar às mudanças para obter uma vantagem. Vamos dar uma olhada em algumas das principais diferenças nas regras entre a NBA e o basquete olímpico.

O tamanho da quadra olímpica e a duração do jogo são menores. 

Dimensões da quadra da FIBA ​​x NBA
Dimensões da quadra da FIBA ​​x NBA [Fonte: Comitê Olímpico Canadense]
A NBA tem uma quadra um pouco maior e a distância entre a linha de três pontos do aro também é maior. A quadra de basquete olímpico tem 28m x 15m, enquanto a quadra da NBA tem 28,65m x 15,24m. A linha de três pontos da NBA é de 7,24 metros no arco e 6,70 metros na zona morta, enquanto o perímetro da quadra olímpica é de 6,75 metros no arco e 6,60 metros na zona morta. Os jogadores da equipe dos EUA podem fazer o trio com facilidade, como se fossem dois longos na NBA. Além disso, a área de pintura também tem dimensões diferentes.

Outra grande diferença é a duração do jogo. A NBA tem quatro quartos de 12 minutos, enquanto as Olimpíadas têm quatro quartos de 10 minutos. A duração menor do jogo é uma grande vantagem para os jogadores da NBA, pois eles costumam jogar 48 minutos em jogos de playoff de alta intensidade.

Olimpíadas não têm tendência de cesta e bola ao alto

DeMarcus Cousins ​​pega um rebote para a equipe dos EUA [Fonte: FOX Sports]
Uma vez que o chute atinge a borda, o jogo é de qualquer um. O jogador atacante pode subir para uma rebatida mesmo que a bola ainda esteja na borda, enquanto o jogador defensor pode agarrar a bola para um rebote. Nenhuma interferência ofensiva significa que os jogadores mais altos podem facilmente ir para o rebote enquanto a bola ainda está sobre a cesta.

Além disso, não existe o conceito de bola ao alto nas Olimpíadas. A única bola ao alto é a do lançamento e depois disso, qualquer situação de posse simultânea é decidida por posses alternadas. Se houver uma bola presa ou se a bola sair de campo com as mãos de ambos os jogadores, a seta de posse permitirá que a equipe saiba quem está com a bola. Isso poderia ser uma pequena desvantagem para os centros altos da NBA, que ganhariam a posse de bola toda vez que houvesse uma bola ao alto.

3º Faltas e violações

Falta do Caleb Agada no Kevin Durant - Tóquio 2020
Falta do Caleb Agada no Kevin Durant [Fonte: Ethan Miller/Getty Images/AFP]
As Olimpíadas expulsam jogadores após cinco faltas em vez de seis na NBA e o adversário entra na penalidade de falta/bônus após apenas quatro faltas coletivas. Os lances livres começam na quinta falta, em vez de seis na NBA. Além disso, faltas técnicas e faltas ofensivas também contam como faltas da equipe e penalidade, ao passo que esse não é o caso na NBA.

As regras de viagem são um pouco absurdas na NBA também. Uma violação de viagem pode ser marcada para um jogador se ele der dois passos depois de pegar a bola antes de fazer um drible, o que é permitido na NBA. O pé-pivô é aquele em que o jogador dá um passo à frente depois de pegar a bola nas Olimpíadas, enquanto a NBA reconhece o pé de trás como o pé-pivô, o que permite a liberdade de movimento.

Outra violação diferente no Basquete Olímpico é a violação de três segundos. Não existe um conceito disso nas Olimpíadas, como acontece na NBA. Na NBA, os jogadores não podem acampar na pintura por toda a posse e precisam limpar a pista a cada três segundos. No entanto, nas Olimpíadas, não há ninguém que impeça um jogador de ficar sob a borda o tempo todo.

O evento já foi palco para assistirmos grandes nomes do basquete brasileiro como Marcel, Leandrinho, Amaury e Oscar. Infelizmente, a seleção de basquete do Brasil está fora dos jogos olímpicos este ano. Mas, ainda tem muita coisa pra ver e essa temporada promete muitas emoções! 

 

Evellyn Azeredo
Apaixonada por Basquete, Torcedora do LAClippers, Curadora de Arte e Musicista.

Comentários fechados

Os comentários desse post foram encerrados.